in , ,

Por dentro do processo de criação: Matte Painting por João Marcos Britto

Seguindo a série “Por dentro do processo de criação”, dessa vez conversamos com o creative retoucher João Marcos Britto, que possui 11 anos de experiência no mercado publicitário.

O João nos conta como foi o processo de criação do belo projeto The Call Of Freedom, desde o rascunho até o resultado final.

Confira:

O rascunho

Eu comecei fazendo um rascunho da cena que gostaria de representar. Não precisa ser um desenho perfeito ou bem acabado, você não vai mostra-lo para ninguém.

É apenas um guia para que você saiba por onde ir. Às vezes faço um “concept gráfico” bem básico como esse, às vezes parto direto para a blocagem de imagens.

Nessa fase, estou apenas me preocupando com a composição da cena e onde cada elemento vai ficar. Uso bastante a regra dos terços. A ideia é criar um ponto focal e construir o resto da cena de forma a conduzir o olhar do observador até esse ponto focal.

As referências

Uma vez que estou satisfeito com a composição do rascunho/blocagem, parto em busca de referências fotográficas quem vão me guiar nas cores e clima da minha imagem.

Já que decidi fazer um pôr do sol, busco várias referências de pôr do sol e monto um mood board com todas elas.

Possivelmente, uma delas vai ser a minha referência mestra, onde eu vou basear todos os valores de luminosidade e exposição.

Começo a mesclar alguns céus, que eu mesmo fotografei, buscando o resultado desejado.

É importante escolher assets (fotos) que possuam a direção de luz igual ou bem próxima da cena que você deseja montar.

Exemplo: De nada adianta pegar uma fotografia clicada em um sol de meio dia e tentar encaixa-la em uma cena de pôr do sol.

Eu comparo todas as referências em preto e branco. Depois começo a ambientar os elementos da minha cena também em preto e branco.

Faço isso com cada elemento novo, individualmente.

A montagem

Eu selecionei uma montanha que se encaixa mais ou menos dentro do meu concept original (você pode mascarar a e fazer ela ganhar o formato que quiser) e que possui uma iluminação próxima das minhas referências.

Olho a imagem da montanha em preto e branco e comparando com as minhas referências, percebo que ela está muito mais clara do que deveria.

Alguns ajustes de curvas e a minha montanha passa e se encaixar melhor.

Depois de finalizados os ajustes de luminosidade em PB, faço agora os ajustes de cor.

Esses ajustes são sempre feitos com o blending mode Color para não interferir com os ajustes anteriores. Estou usando as minhas referências para me ajudar a acertar as cores também.

Continuo selecionando novas imagens, com uma direção de luz correta, seguindo o meu concept.

A técnica de ambientação usada em cada um desses elementos é a mesma descrita anteriormente. Primeiro vejo tudo em preto e branco, acerto os valores e por último, acerto a cor separadamente.

Finalização

Para finalizar, pego uma foto que possua um brilho de sol, constrasto o layer e coloco no blending mode screen. Isso me da um efeito de sol muito interessante.

E assim chegamos ao resultado final:

Confira mais detalhes sobre esse projeto em sua página no Behance.

Sobre o artista

João Marcos Britto é um creative retoucher com 11 anos de experiência no mercado publicitário. Entre as suas maiores paixões estão o matte painting, VFX e tudo relacionado a teoria de cor.

Atualmente é freelancer e trabalha atendendo agências de publicidade, fotógrafos e estúdios CGI, dentro e fora do Brasil.

Site: jmbritto.com
Behance: behance.net/jmbritto
Facebook: facebook.com/jmbrittoretoucher

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Loading…