in

5 erros comuns na hora de cobrar um serviço

5-erros-cobrar-servicos

O pagamento é a recompensa por um serviço prestado. É nessa hora que é finalizado o vínculo entre contratante e contratado, e ambas as partes saem satisfeitas pelo ótimo relacionamento construído.

Mas nem tudo são flores, e muitos ainda pecam na hora de cobrar. Veja abaixo 5 principais erros na hora de fazer a cobrança:

Ter vergonha de cobrar

Todo mundo gosta de dinheiro, mas alguns deixam de receber porque se sentem envergonhados na hora de cobrar dívidas atrasadas de seus clientes, talvez imaginando que isso irá ofendê-los.

A situação fica ainda mais complicada quando o serviço é feito para um amigo achegado ou alguém da própria família. Quando a pessoa não paga o valor devido, muitas vezes o profissional prefere “deixar pra lá”, para evitar abalar o relacionamento entre as partes. É a clássica situação “Você finge que pagou e eu finjo que recebi”.

Como resolver?

Principalmente para quem está iniciando como freelancer, a hora de cobrar os primeiros clientes pode ser desafiadora. Mas lembre-se que você é um profissional e tem direito à remuneração sobre o serviço prestado.

Saber os valores exatos, e os dias combinados para o pagamento (se possível em contrato), ajuda na hora da cobrança. Talvez seja melhor dar o primeiro aviso via e-mail, e somente depois falar com o cliente por telefone sobre aquela cobrança que ele deixou de pagar.

Aceitar parcelamentos absurdos

Muitos clientes abusam da boa vontade de alguns profissionais e propõem parcelamentos que não foram previamente combinados, geralmente após o término do serviço. “Podemos parcelar o saldo restante em 24 vezes?” – pergunta o cliente.

Como resolver?

É possível que o cliente esteja passando por uma dificuldade momentânea e queira negociar a dívida, mas também é provável que ele esteja apenas “jogando verde para colher maduro”. Você deverá perceber qual a intenção real do cliente antes de dar uma reposta.

Ter um contrato com as cláusulas de pagamento pode lhe ajudar a ser firme na decisão de não aceitar nada além do que foi assinado, caso perceba má-fé por parte do cliente.

Mas é sempre importante achar um equilíbrio. Talvez o cliente lhe peça  para dividir o saldo restante em duas ou três vezes, pois ficou sem capital. A decisão de aceitar a proposta é sua. A decisão de cobrar ou não juros sobre a negociação, também.

Ser inflexível

A falta de comunicação pode ser uma grande inimiga entre as duas partes de um serviço. Muitos profissionais podem sentir-se tentados a “chutar o balde” logo no dia seguinte ao atraso do pagamento. E o “chutar o balde” inclui desde retirar o site do cliente do ar até protestar um título vencido ou um cheque que voltou.

Como resolver?

Uma palavra: comunicação! A maioria das pessoas já atrasaram pagamentos. Você provavelmente também já fez isso. Os motivos são inúmeros, e muitas vezes a intenção de atrasar nem existia.

No caso de um cliente que não pagou o que devia, o primeiro passo seria entrar em contato com ele para ver o que pode ter acontecido.

Muitas vezes é feito um pedido de desculpas e uma promessa de que “até amanhã o dinheiro estará na conta”. Se isso resolver, ótimo. Mas, se mesmo assim o pagamento não vir, é sempre melhor se comunicar primeiro antes de acionar a justiça ou tomar outras providências igualmente sérias.

Ser inflexível demais pode fechar as portas de um relacionamento de muitos anos com um cliente, talvez só porque naquele mês ele esqueceu de pagar aquela parcela. Evite isso.

Ser bonzinho demais

Porém, do outro lado da moeda existem aqueles que são bonzinhos demais. Após centenas de ligações e dezenas de promessas de pagamento, o profissional bonzinho diz que “não tem problema” e que “essas coisas acontecem…”

Como resolver?

Desenvolva a arte de ser mau. No bom sentido, é claro. Ser bonzinho todo o tempo faz com que certas pessoas se aproveitem da bondade e empurrem com a barriga suas responsabilidades.

É importantíssimo traçar um limite para sua paciência e saber exatamente quando esse limite for ultrapassado.

A malícia é conquistada aos poucos, geralmente após alguns calotes. Após um tempo, o profissional freelancer percebe aqueles que querem fazê-lo de bobo. Nesses casos, deixe a bondade de lado e seja firme com o caloteiro. Estabeleça prazos e diga que tomará providências caso estes não forem cumprido. E caso não for, aja à altura das suas palavras.

Esquecer de enviar a cobrança

Assim como existem aqueles que esquecem de pagar, existem aqueles que não lembram de cobrar. Os esquecidos perdem dinheiro por falta de organização.

Não se lembram quanto cobraram, nem a data combinada para o pagamento. E quando se lembram, geralmente após vários dias da data prevista, voltam ao primeiro item dessa lista e sentem vergonha de cobrar.

Como resolver?

Organização é a chave para mentes esquecidas e avoadas. Ter uma planilha com todas as cobranças pode ser útil. Existem sites gratuitos que são ótimos aliados. Falamos de um deles, o Zero Paper, neste post, lembra-se?

Cobrar pode ser desafiador, mas é uma parte da vida profissional de qualquer freelancer. Afinal, são pelas cobranças que entra a tão aguardada recompensa pelo trabalho árduo, o dinheiro. Boas cobranças para vós.

Créditos da imagem: Will Rios

Escrito por Guilherme Dantas

Fundador do Designerd, empreendedor digital, apaixonado por design, marketing digital, carros, cinema, astronomia e física quântica. Arranhador profissional de violão nas horas vagas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Loading…