in ,

O que é e como usar a profundidade de campo

A profundidade de campo é um dos conceitos essenciais da fotografia e por isso não poderia deixar de falar dele aqui nessa série de artigos.

Apesar de ser uma característica bem técnica, é algo que podemos ter um controle razoável e faz uma diferença gigantesca em nossas composições, podendo transformar resultados ruins em bons simplesmente movendo a câmera alguns centímetros ou até milímetros (dependendo da distância do objeto), já que ele ajuda a manter o foco no que é mais interessante.

Mas afinal, o que é a profundidade de campo?

De maneira simples, a profundidade de campo é o espaço entre o plano de fundo e objeto que ficará nítido na foto.

Quanto mais longe do objeto a ser capturado, mais desfocado o plano de fundo tende a ficar, isso acontece devido a uma questão ótica (presente nas lentes) chamada “círculos de confusão” e que tem relação direta com a abertura do diafragma, como veremos a seguir (existem alguns fatores além da abertura que também influenciam no resultado desejado).

Essa área nítida pode variar muito de tamanho, podendo gerar grandes áreas totalmente focadas, como imagens da GoPro, como também cenas com uma minúscula área nítida, como em fotos macro.

Além da abertura (f-stop), essencial para o efeito de maior ou menor profundidade de campo, existem outros dois fatores que determinam esse desfoque: a distância do objeto e a distância focal da lente. Para ficar mais claro, vou mostrar com alguns exemplos a seguir:

Abertura

Já falamos em vários artigos dessa série sobre a importância da abertura e como ela pode influenciar em suas composições. Quanto maior a abertura (números menores), mais luz entra para o sensor. Ela serve como a nossa pupila, em que dilata em ambientes com pouca luz e diminui em ambientes bem iluminados.

É comum pensarmos primeiro em deixarmos a abertura em números como 2.8, 1.8, 1.4 para conseguir uma profundidade de campo menor, pois com aberturas grandes assim conseguimos desfocar bem o fundo, gerando uma sensação de nitidez ainda maior no objeto/personagem principal.

Em fotos de paisagem, principalmente de dia, podemos deixar a abertura menor (f/22, por exemplo), assim você poderá fotografar o objeto e o fundo de maneira nítida com mais facilidade, pois terá uma profundidade de campo gigantesca. O único porém é que quanto menor a abertura, menos luz, sendo necessário compensar no ISO e Velocidade para conseguir deixar a cena corretamente iluminada.

Distância do objeto

Um característica muito importante para conseguir maior ou menor profundidade de campo é a distância que você está do objeto a ser fotografado. Conforme for se aproximando, verá que a área nítida fica cada vez menor.

Pequenas distâncias são especialmente úteis para closeups e fotos macro, pois normalmente esse tipo de foto tem o objetivo de justamente destacar uma pequena parte de todo o resto, como na foto acima.

Lembra dos círculos de confusão que comentei acima? A distância do objeto influencia no tamanhos desses círculos.

Conforme estivermos mais longe do objeto, os círculos reduzem, aumentando a profundidade de campo. Consequentemente se você se aproxima, os círculos aumentam, diminuindo a profundidade de campo.

Distância focal

A distância focal muda conforme o tamanho da sua lente, algo que não temos tanto o controle ao utilizar lentes fixas, por isso a abertura acaba sendo uma companheira para afinar esse controle.

Lentes “menores” (visão ampla) são aquelas mais para o lado de grande angulares, que costumam ser categorizadas nas lentes abaixo de 35mm e são lentes que ampliam a distância entre os objetos, dando assim uma maior profundidade de campo. Isso quer dizer que é mais fácil ter uma grande área nítida utilizando uma 35mm, 24mm ou lentes ainda mais amplas (quanto menor o número, mais ampla).

Uma categoria normal fica entre 35mm e 70mm. Isso quer dizer que aqui você terá uma distância focal mais equilibrada e uma imagem mais próxima da visão humana.

Já lentes maiores (teleobjetivas), como uma 85mm para cima, dão a sensação de comprimir a distância entre um objeto e outro, reduzindo a profundidade de campo

Resumindo em uma lente 18-135mm, por exemplo, que é uma lente padrão de kit inicial: nessa lente você encontra distâncias focais completamente diferentes. Se quiser ter uma profundidade de campo maior, para capturar uma paisagem, deixe em uma vista mais ampla, como próximo de 18mm, se quiser ter a possibilidade de desfocar mais o fundo, use próximo do 135mm. Isso considerando o mesmo valor de abertura para as duas fotos comparativas.

Conclusão

Nessa série de dicas de fotografia, estamos falando tanto questões técnicas que exigem um controle manual da câmera, que muitas vezes não é possível realizar apenas com o celular (apesar de que boa parte é possível se utilizar aplicativos que liberem o controle manual de abertura, ISO e velocidade), mas também estamos falando muito de composição, que é algo que você pode ter o controle independente de que equipamento esteja utilizando.

Nesse post os elementos óticos da lente fazem uma grande diferença, principalmente na distância focal. Por isso, se você estiver treinando fotografia com seu celular ou com uma câmera automática, treine bastante os dois primeiros elementos estudados nesse artigo (abertura e distância do objeto) para conseguir brincar com a profundidade de campo em suas imagens.

E aí? Gostou do conteúdo e das imagens utilizadas de exemplo? Essas e outras ótimas imagens você encontra em nosso parceiro iStock, que vem ajudando muito a propagar essas dicas de fotografia. Dê uma passada lá para ver mais imagens para utilizar em seus projetos também.

Até a próxima!

Escrito por Julian Nunes

Designer e professor nas áreas de computação e editoração gráfica e também apaixonado por cinema, animação, motion e flertando com fotografia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Loading…