in ,

O que é a Hora Dourada na fotografia?

Tudo na fotografia é baseado na luz. Com uma luz certa você pode criar um efeito desejado e até surpreendente. No caso da hora dourada temos nesse curto espaço de tempo uma junção de elementos na fotografia que agradam aos olhos: cores quentes, brilho e detalhes nítidos. Isso tudo acontece pela combinação ideal de luz e sombra que o sol proporciona.

Normalmente esse momento se inicia em média uma hora antes do pôr do sol e termina com o sol já escondido.

Como essa hora varia para cada época do ano, conforme a posição da terra em relação ao sol, existem até alguns apps para Android e iOS que ajudam a aproveitar melhor esse intervalo de tempo, como o Golden Hour (da Simplaapliko), Exsate Golden Hour (da Exsate Software), entre outros.

O que faz a Hora Dourada ser tão mágica?

Essa hora é realmente mágica devido a junção de fatores mencionados acima (cores quentes, detalhes nítidos e um brilho especial) e que irei detalhar melhor agora o porquê desses elementos estarem presentes nessa hora.

Pôr do sol

É inegável dizer que o pôr do sol é o maior responsável por esse momento, afinal, é justamente na hora que antecede a ele que tudo começa. Mas por que só antes? E por que só com o pôr do sol e não o nascer também?

A mágica do pôr do sol acontece justamente devido ao caminho que a luz precisa fazer na atmosfera quando já está mais distante de nós, mas o final de tarde sempre remete a algo mais caloroso e até romântico do que o nascer do sol (apesar de que é possível conseguir efeitos muito semelhantes na primeira hora do dia). Mas como são momentos distintos, existe até a Blue Hour (Hora Azul, ao pé da letra), que justamente se refere ao momentos próximos ao nascer do sol e após ele já ter sumido no horizonte.

A Hora Azul é também muito interessante, mas diferente dos tons quentes que vemos na Hora Dourada, aqui nós temos uma paleta mais fria, dando outros significados a imagem que está sendo retratada.

Tanto a Golden Hour como a Blue Hour utilizam várias características em comum, mas se comparar as imagens desses dois momentos, vai perceber essa diferença de tons e, consequentemente, na história que essa composição está contando.

Cores quentes na Escala de Kelvin

Aproveitando o “duelo” levantado entre a hora dourada e a hora azul, talvez você tenha visto nas aulas de física um pouco sobre a Escala de Kelvin e como isso determina a cor de uma iluminação.

Isso é simplesmente essencial na fotografia, desde um correto balanço de branco até aproveitar melhor o que as cores quentes e frias podem fazer.

Na imagem acima vemos um pouco de como esses tons mudam conforme a escala vai crescendo. Mas em uma representação um pouco mais próxima da realidade teríamos algo como: Fogo (1700-1800K), Velas (1850-1930K), Pôr do sol (2000-3000K), Logo após o pôr do sol (5000-5400K) e Nublado (a partir de 5500K).

Como podemos ver, quanto menor o número na Escala Kelvin, mais quente é a cor da luz e no caso da Hora Mágica, a temperatura está em uma parte já amarelada, mas ainda não chegou no laranja completo, gerando um efeito mais quente mas sem parecer que existem coisas “pegando fogo”.

Luz direcional, mas difusa e suave

Outro fator importante é a luz direcional, já que nessa hora o sol vem da lateral, gerando sombras mais divididas, mas devido ao caminho que a luz faz pela atmosfera, essas sombras, mesmo dividindo os objetos e deixando-os com os detalhes mais nítidos, geram efeitos mais suaves.

Como podemos ver na foto acima, a sombra está bem difusa, mas gigante. Esse experimento também pode ser feito de maneira simples, com um objeto e uma lanterna/refletor. Quanto mais longe você colocar o ponto de luz do objeto, mais difusa ficará a sombra, mas sem perder seu papel de criar os contrastes com a luz, necessário para uma boa nitidez dos detalhes da imagem.

Ou seja, é o equilíbrio perfeito entre o contraste da luz e sombra, mas sem criar imagens com sombras super recortadas e marcadas, como no sol a pino do meio dia.

Um bom fotógrafo realmente sabe aproveitar as diferentes horas do dia para explorar ao máximo os efeitos que elas podem causar em suas fotografias. Em um próximo artigo abordaremos alguns efeitos que você poderá explorar na Hora Dourada.

Enquanto isso, confira na iStock os muitos exemplos de fotografias profissionais que exploram de modo incrível a Hora Dourada.

Até a próxima!

Escrito por Julian Nunes

Designer e professor nas áreas de computação e editoração gráfica e também apaixonado por cinema, animação, motion e flertando com fotografia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Loading…