Nós já falamos sobre a necessidade (ou não) de uma faculdade de design e também da importância do design nas empresas. Então, existem motivos de sobra para se aprofundar no estudo dessa área ainda tão promissora.

Mas, dessa vez separamos alguns motivos específicos para sanar suas dúvidas, se ainda tiver, sobre se vale a pena mergulhar de cabeça nessa profissão.

Acompanhe.

1. Possibilidade de trabalhar em qualquer lugar

pessoa trabalhando com notebook no colo

O Confred (nosso evento online sobre vida freelancer) aconteceu há pouco tempo, e lá falamos muito sobre como adquirir uma mentalidade autônoma e viver do seu trabalho na área criativa de maneira independente.

Essa sempre foi uma vantagem da nossa profissão, principalmente no início dessa era digital.

Não temos uma grande necessidade de uma base fixa, e como as vagas no mundo todo continuam aparecendo, sempre existe uma possibilidade real de conseguir trabalhar com o que gostamos até mesmo em outros países.

E não precisa ir longe, já que com um acesso a internet e seu equipamento, você pode executar seu trabalho onde você estiver mais inspirado.

Claro que isso não é para qualquer um e não serão apenas suas habilidades criativas que permitirão isso. É preciso muita dedicação, gestão e pensamento empreendedor para seguir esse caminho. Mas nossa área oferece uma boa vantagem para quem quiser ser um profissional independente.

2. Você estará criando conteúdo visual para a geração que mais consome isso

pessoas fazendo selfie

Experiências… as pessoas buscam cada vez mais por novas experiências. E muitas experiências são incentivadas ou mesmo aplicadas pela imagem e som.

Isso quer dizer que quem manejar as habilidades que envolvem esses sentidos podem manipular sentimentos e emoções de modo muito mais forte que um simples texto como esse.

Independente de sua área da criação, você vai desenvolver produtos que serão consumidos. E o primeiro passo para vender um produto é entender bem o público que vai consumi-lo. E sabendo como eles gostam de se comunicar e o que costuma alcança-los faz parte disso.

3. A demanda por design será cada vez maior

pessoa escolhendo logo

Para agradar uma geração que exige estética e funcionalidade como nunca antes, muitas empresas se aperceberam que investir em design é uma obrigação caso queiram permanecer no mercado.

Usuários comuns estão cada vez mais críticos, e possuem um vasto repertório para comparar serviços em seus diversos aspectos, principalmente no design.

A tendência é um grande aumento da percepção da importância do designer integrando equipes dentro de empresas de vários segmentos.

Cabe ao designer ser cada vez mais assertivo naquilo que cria, acertando o público alvo, seus gostos e preferências, através de muitos testes e estudos.

4. As soluções tecnológicas estão cada vez mais acessíveis

Brasileiros, especialmente, tinham uma dificuldade enorme de adquirir as licenças dos softwares mais comuns. Felizente isso não é mais uma realidade.

Os programas e equipamentos, apesar de muitos ainda serem bem caros, tiveram uma grande redução em seu custo e manutenção, além das soluções gratuitas. Então, o investimento inicial para quem está começando em uma das áreas relacionadas está ficando cada vez menor.

O investimento de tempo também tem se tornando menor, com a quantidade de material disponível para aprender melhor sobre a profissão e suas ferramentas. Além de muitas dessas ferramentas estarem também ficando mais intuitivas, deixando aquela curva de aprendizagem mais curta que antes.

5. A automação não vai te afetar da mesma maneira que em outras áreas

Ao pesquisar sobre o assunto, me deparei com um artigo publicado no The New York Order onde, segundo o estudo, 60% dos jovens estão se qualificando para profissões que serão obsoletas nos próximos anos.

Apesar de muita discussão girar em volta disso, e com razão, a área criativa ainda tem uma certa dificuldade de ser totalmente automatizada. Vantagem para nós, designers.

Mas, com o avanço das tecnologias de inteligência artificial, isso não significa que podemos ficar totalmente despreocupados. Não acredito que robôs serão capazes de criar absolutamente tudo, mas é possível que terão habilidades criativas que nem imaginamos ainda.

Nossas profissões não estão em risco, mas apenas para quem continuar estudando. E isso quer dizer justamente focar sua atenção fora da parte ferramental do design. Aqueles que apenas são operadores de softwares serão os primeiros a serem substituídos.

Conclusão

Ser um profissional criativo é uma ótima opção para seguir, não só para esse momento, mas acredito que sempre será.

Tem dúvidas como seguir nesse caminho? Não deixe de comentar aqui ou em nossas redes e compartilhe sua experiência!

Julian Nunes