in ,

Regras de composição: Espiral de ouro, Sobreposição, Enquadramentos e Simetria

A definição de regra, segundo o dicionário Michaelis é:

  1. O que regula, disciplina ou rege; norma, preceito, rédea

Sei que a palavra regra é forte, principalmente em uma área predominantemente criativa, mas a regra aqui não é um conjunto de aspectos e normas imutáveis, mas sim sugestões para melhores aplicações dos conceitos técnicos e criativos para formar uma boa composição.

Como vimos nos dois últimos artigos, sobre o conceito de composição na fotografia e sobre a regra dos terços, existem técnicas que, quando bem utilizadas, vão fazer sua imagem saltar aos olhos e contar uma história muito melhor. Pensando nisso, separei algumas dessas regras de composição com exemplos de aplicação a seguir:

Espiral de ouro

A espiral de ouro é, na verdade, a origem da regra dos terços. São muito parecidas pelo formato que a grade fica quando aplicada. Mas a regra dos terços acaba sendo uma versão simplificada da espiral de ouro e por isso acaba sendo mais aplicada.

Proporção Áurea, Número de Ouro, Número Áureo, Secção Áurea, Proporção de Ouro e, claro, Sequência de Fibonacci, são nomes muito comuns para quem está pesquisando/estudando design, arte e outras áreas relacionadas. O mesmo princípio é encontrado na espiral de ouro.

A espiral forma também as divisões imaginárias na imagem em 3 colunas e 3 linhas, criando os pontos de cruzamento, chamados pontos de ouro.

Assim como foi falado de maneira mais detalhada no artigo sobre a regra dos terços, posicionar seu objeto principal em um desses pontos, deixando a imagem propositalmente não centralizada, cria um aspecto mais dinâmico, já que normalmente fotos centralizadas costumam representar mais serenidade, cenas estáticas e até menos interessantes.

Sobreposição

A sobreposição é uma regra que entra para dar volume e profundidade na foto.

Como nossas imagens acabam virando planos depois de feitas, podemos explorar algumas maneiras de dar uma sensação tridimensional na hora da composição, seja pelo bom uso da luz e sombra, desfoques e objetos com volumes destoantes ou um ângulo que reforce a distância entre os planos.

Um exemplo claro disso é uma foto de perspectiva em um corredor, principalmente se o corredor tiver elementos em seu meio que deem uma sensação maior de profundidade, como na imagem acima.

Enquadramento

A função da moldura em um quadro não é ter maior destaque que a obra enquadrada, mas sim ajuda-la em seu impacto visual. Isso quer dizer que se a moldura estiver se destacando mais que a imagem, existe algo errado (a não ser que seja realmente esse o objetivo).

Na fotografia a ideia é semelhante. Muitas vezes podemos encontrar molduras naturais no ambiente que iremos capturar. Árvores, portas, portais, ou até mesmo ombros e pernas, mas sempre com o objetivo de enquadrar outro objeto na cena por trás.

O legal dessa técnica de composição é que podemos ser bem criativos, pois muitas vezes temos que “caçar” um enquadramento perfeito ou até mesmo produzi-lo.

E o resultado é quase sempre interessante, gerando um maior foco no objeto ou personagem principal, já que a moldura meio que o seleciona, como se estivéssemos circulando a área desejada da cena.

Simetria

Essa técnica é uma das preferidas para quem tem mania de organização, mas não só. É realmente bem legal o efeito que uma imagem simétrica gera, podendo criar até mesmo um efeito mesmo relaxante.

Simetria é a correspondência entre os lados da imagem. Uma simetria perfeita faria com que os dois lados (horizontal ou vertical) estivessem iguais, como se fossem espelhados, mas em um ambiente real nem sempre temos tanto controle assim. Então uma composição natural existe certa “margem” para ser considerada simétrica.

Na imagem acima podemos ver pequenas diferenças entre os lados se criássemos uma linha vertical imaginária no centro da foto, mas é simétrica o suficiente para ser considerada uma composição assim.

O exercício de buscar simetria está nos detalhes, não só no cenário completo. Podemos encontrar simetria em partes de móveis, árvores, texturas. É aí que entra também sua criatividade ao posicionar o objeto/personagem em um desses lugares para que ele interaja com essa simetria.

Quando feito isso, o destaque nele é muito maior, já que a simetria vai fazer o papel de uma moldura, destacando o objeto.

Conclusão

Como estamos vendo nos últimos artigos, a composição é a maneira que você tem para contar a história através de uma foto estática e muitas vezes quem tem que se mover é você, como fotógrafo, buscando os melhores lugares e enquadramentos.

Pratique bastante e busque sempre por novas referências para ir adotando o estilo que mais se identifica. E uma boa maneira de fazer isso é utilizando imagens de ótima qualidade, como as encontradas na nossa parceira iStock, que vem nos ajudando a desenvolver essa série sobre dicas práticas de fotografia.

Até a próxima!

Escrito por Julian Nunes

Designer e professor nas áreas de computação e editoração gráfica e também apaixonado por cinema, animação, motion e flertando com fotografia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Loading…