in ,

Dicas para criar boas combinações de fontes em seus projetos

Escolher a tipografia para seu projeto é parte fundamental da criação, já que a aparência dos títulos e textos afetarão não só a facilidade de leitura, mas também a estética, que precisa transmitir o assunto com objetividade e ao mesmo tempo manter a identidade do projeto.

Essa escolha com certeza não pode ser aleatória, apesar de que sua intuição não precisa ser descartada.

Sendo assim confira essas dicas de combinações de fontes que te ajudarão a encontrar a mistura ideal que está buscando.

Os principais estilos de fontes

Já falamos em diversos artigos sobre os diferentes estilos das famílias tipográficas: serifadas (serif), sem serifa (sans serif) e manuscritas (script).

Apesar de existirem outras categorias, como display, decorativas e monospace, vamos focar nas 3 primeiras, já que elas englobam as principais características visuais das outras subcategorias.

Em cada uma das ideias de combinações a seguir, falaremos um pouco do motivo de usar um ou outro estilo.

Misturando famílias de fontes

Quando trabalhamos com combinação de fontes, muitas vezes encontraremos famílias tipográficas muito parecidas, como as clássicas Arial e Helvetica ou Times e Times New Roman.

Além de serem visualmente semelhantes, elas foram desenvolvidas para serem usadas nas mesmas situações. Por isso, tentar combinar fontes que tem um estilo próximo, vai causar uma certa estranheza, já que as pequenas diferenças entre uma e outra podem causar a sensação de erro gráfico.

Por isso, misturar famílias de tipos ajudam no contraste, hierarquia e estética, essenciais para uma boa, eficiente e bonita mensagem.

Se pretende utilizar apenas fontes serifadas ou apenas sem serifa, trabalhe com a variação delas, entre negrito, itálico e seus diferentes pesos (quando eles existem).

Mas aqui vai uma regra que serve para essa e todas as próximas dicas: mesmo que você esteja usando a mesma fonte, evite ter mais que 3 variações tipográficas em uma única peça (claro que existem casos e casos), mas quando usamos uma fonte que possui variações de peso como light, regular e bold, cada uma dessas opções conta como uma variação tipográfica.

Então, se o projeto pedir, devido a identidade da marca, por exemplo, que você utilize apenas uma família tipográfica, brinque com suas variações.

Na imagem acima temos, na mensagem, variações de estilos da fonte Cormorant Garamond e na imagem abaixo podemos notar variações de peso da fonte Montserrat

A mistura entre fontes com e sem serifa

A mais básica das combinações traz as vantagens das duas fontes em cada uma das diferentes situações.

O ar clássico das serifas pode vir a ser uma boa escolha para títulos que chamam a atenção sem perder a classe, mas também funciona perfeitamente como a fonte escolhida para o corpo da mensagem, já que suas linhas da base (as próprias serifas) criam a famosa linha mental para auxiliar a leitura.

Mas a ideia de mistura-las vai além da questão da facilidade de leitura (que é muito importante), mas também faz uma ponte com nosso próximo tópico, no qual falaremos da importância de diferenciar o seu texto dos títulos para passar uma mensagem eficiente.

No exemplo abaixo, temos a fonte sem serifa Glacial Indifference tanto no título como sua variação Light no endereço do site, junto com a fonte serifada Libre Baskerville

Já no próximo exemplo, podemos ver a fonte Vidaloka, uma fonte serifada de nome bem curioso, em conjunto com a Montserrat, uma fonte sem serifa

E na imagem abaixo, vemos as fontes Slab Serif e Josefin Slab, com a fonte sem serifa tradicional de smartphones, Roboto

Foco no Contraste

Aqui reforço o que disse no primeiro tópico. Podemos usar fontes da mesma família, mas com diferenças no peso, tamanho e espaço entre as letras.

Uma combinação que hoje em dia está sendo praticamente o “arroz e feijão” das imagens para redes sociais é a mistura da Bebas Neue com Montserrat, utilizando assim a primeira opção como título, por ser condensada, limpa e forte, enquanto que a Montserrat pode ser usada nos textos em suas versões mais leves, devido a facilidade de leitura e seu formato mais geométrico.

Muitas vezes nem é necessário criar uma variação de tamanho e peso, mas apenas brincar com as cores e demais elementos da imagem para criar o contraste necessário em uma boa mensagem.

No exemplo abaixo foi utilizada a fonte Bebas Neue com Montserrat Light:

Já no próximo exemplo, foi utilizada somente a fonte Barlow Black, sem variações.

Fontes também tem sentimentos

Conforme o projeto, precisaremos passar um ar mais sério, divertido, metódico, leve, pesado, agressivo, triste, etc.

As fontes também um papel importante em transmitir esses estados de espírito e quando escolhemos um par ou trio de fontes para nossa criação, temos que tomar um cuidado extra em perceber se seus estilos estão brigando entre si, pois se um estilo for dominante, a mensagem pode ser mal interpretada, ficando confusa e muitas vezes poluída.

Dessa forma, estilos diferentes podem ser utilizados se um deles for neutro, deixando propositalmente a sua escolha principal predominar e passar a mensagem do sentimento desejado.

Na imagem abaixo temos a fonte Bernoru Expanded com duas varições (normal e outline) juntamente com a clássica Montserrat.

Nesse exemplo, encontramos a fofa fonte display, Coiny com a cada vez mais presente em sites Poppins.

Combinando fontes manuscritas

Utilizar fontes manuscritas (script) ou mesmo as display, no corpo da mensagem dificilmente trará um bom resultado. Tanto pela dificuldade de leitura quando estiver em uma escala reduzida, algo comum para o corpo do texto, como também por ela tentar chamar a atenção pra si, fazendo o título perder sua força.

Como hierarquia e contraste sempre precisam ser levados em consideração, fontes assim devem ter um lugar e um tamanho de destaque, e suas combinações podem ser feitas tanto com fontes com serifa como sem serifa, dependendo novamente do item anterior: o sentimento da mensagem.

Fontes manuscritas podem se sair bem em situações festivas, como mostramos nesse artigo sobre tipografia para convites de casamento, como também funcionam bem em temáticas infantis.

No exemplo abaixo temos a fonte manuscrita Kalam (em negrito) em conjunto com a Gidole.

Já na imagem a seguir, vemos a fonte script com traços rústicos, mas elaborados, Lemon Tuesday, junto com a serifada Lora (em duas variações).

Ferramentas para ajudar na escolha de fontes

Para a criação de todos os exemplos de layout usamos templates prontos do Canva Pro, que você pode experimentar grátis por 30 dias clicando aqui.

Além disso, eles também tem um combinador de fontes para todos que quiserem testar algumas das fontes que podem ser utilizadas dentro ou fora de suas contas.

Parecido com o comparador de fontes do Canva, temos também o FontPair, que já traz boas combinações em termos de contraste, usando fontes que são facilmente encontradas para utilizar em projetos digitais.

Uma outra ferramenta que já abordamos há um tempo é o Wordmark.it, que ajuda muito na escolha das fontes já instaladas em seu sistema, já que ele carrega os comparativo com a palavra desejada. Muito útil também!

Claro que essas dicas e regras não são limitadores, mas sim maneiras de você dar um primeiro passo na escolha tipográfica do seu projeto com uma chance menor de erro.

Como existem muitas variáveis, desde o espaço disponível, cor ou imagem de fundo e a própria marca em si, utilize sempre essas regras e dicas, mesclando com o bom senso e sua experiência.

E experimente também o Canva Pro e veja como otimizar ainda mais suas criações digitais.

Até a próxima!

Julian Nunes

Escrito por Julian Nunes

Designer e professor nas áreas de computação e editoração gráfica e também apaixonado por cinema, animação, motion e flertando com fotografia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Loading…