in ,

Como aprender caligrafia? Um guia baseado no curso da artista Bego Viñuela

Quem aprecia ou trabalha com design já se deparou com a prestigiada arte da caligrafia. Vídeos de caligrafia são populares nas redes sociais. Estampas com frases diferentes aparecem em roupas e itens de decoração e é cada vez mais comum encontrar paredes com trabalhos lindos em restaurantes e cafés.

Esse é o guia que faltava para trazer você para o maravilhoso mundo da caligrafia. Se você adora acompanhar os artistas mas nunca teve coragem de estudar a técnica, essa é a oportunidade de aprender algo novo.

Vamos começar com os materiais

A caligrafia tem um charme tradicional: canetas especiais, pincéis, tinta e papel resistente. Quando eu era pequeno ficava encantado com as canetas do meu pai. Cada pena tinha um uso e um jeito certo de utilizar. Essas canetas são utilizadas até hoje e são bem fáceis de encontrar.

Além das clássicas canetas de pena, você pode trabalhar com pincéis, lápis ou canetas porosas.

Se utilizar canetas de pena ou pincéis, você vai precisar de tinta. Aquarela vai muito bem, e é uma tinta fácil de encontrar. Existem também tintas específicas para caligrafia e caneta tinteiro. São bem líquidas como a aquarela para permitir uma escrita suave.

Mas se você não conseguir encontrar nenhum destes materiais, não se preocupe. Com caneta comum ou lápis você já pode começar a praticar!

Repetir, repetir e repetir os formatos básicos

Lembra daquele caderno de caligrafia da infância? Para aprender a escrever nós tínhamos que repetir cada letra dezenas e dezenas de vezes. Prepare-se para fazer esse mesmo exercício com cada estilo que você decidir aprender.

Escrever bem exige um grau de fluidez e suavidade nos movimentos. E isso só aparece depois de muita prática. Mas muita prática mesmo. O ideal é que você dedique alguns minutos do seu dia sempre que puder para estudar. É uma atividade até relaxante: você pode praticar enquanto escuta seu podcast favorito ou durante reuniões online em que você não precisa olhar tanto para a tela.

Fonte: https://www.pinterest.com/pin/590393832379808181/

Você pode usar um caderno com pautas comum ou uma folha com pauta impressa em tamanho maior. Recentemente fiz um curso de Caligrafia Itálica com pincéis, da artista Bego Viñuela.

Nas aulas ela fornece um arquivo com pautas para imprimir. Essa folha de pauta é colocada sempre abaixo de uma folha de papel comum para praticar: assim você sempre vai ter uma linha de referência para escrever.

Pesquise termos como “calligraphy practice sheet”, “calligraphy alphabet” ou “alfabeto de caligrafia” no Google e no Pinterest para encontrar uma infinidade de recursos para sua prática.

E lembre-se de praticar também formatos básicos e curvas com a ferramenta que você escolheu: pincel, lápis ou caneta de caligrafia. Esses exercícios de aquecimento devem fazer parte da sua rotina.

Com o tempo você vai se familiarizar com o seu equipamento e também com as curvas, formatos e sequência de escrita do estilo de letra que escolheu.

Alguns estilos feitos com caneta de pena chanfrada por exemplo, exigem dividir cada letra em vários movimentos. Já a caligrafia itálica ensinada no curso da Bego Viñuela é formada por movimentos contínuos.

Já pode formar palavras?

Estudar os formatos básicos das letras é relaxante, mas o divertido mesmo é escrever palavras ou frases longas. Depois de praticar bastante um alfabeto escolhido é bom começar a montar palavras. Essa é uma etapa importante para praticar diferentes formas de conectar as letras.

A escrita gótica por exemplo, tem as letras bem delimitadas. Já a escrita itálica feita com pincel exige o desenho de curvas e linhas de conexão entre as letras.

Um ótimo exercício é estudar o trabalho de outros artistas, como a própria Bego Viñuela, Kate Coogan ou outros que são facilmente encontrados no Instagram e no Pinterest.

Procure artistas e designers com estilos que você aprecia e tente reproduzir algumas palavras. É comum os artistas compartilharem vídeos que ajudam mais ainda na hora de estudar.

É normal que as suas palavras fiquem bem diferentes no começo. Lembre-se que esses artistas praticam há muito tempo. Caligrafia é uma arte que exige paciência e muita prática.

E agora que já consigo escrever lindamente?

Ao dominar os formatos básicos e aprender a conectar as letras com elegância, fica cada vez mais divertido fazer experiências com caligrafia. Com o tempo você vai sentir confiança para experimentar desenhos mais soltos, ornamentos, frases compridas e obras de tamanhos diferentes. Há quem goste de experimentar caligrafia com todo tipo de material.

Essa liberdade é uma das características mais interessantes desta arte: a caligrafia é muito mais do que escrever palavras bonitas.

Tipos de pincel diferentes permitem a criação de manchas totalmente inusitadas. A combinação de cores e texturas no papel abre possibilidades infinitas de trabalho.

Neste ponto o curso de Caligrafia Itálica com Brush Pen foi uma ótima surpresa. A instrutora dedica as últimas aulas do curso para uma série de experimentações com efeitos com tinta e texturas no papel.

Um dos efeitos mais interessantes é feito com máscara de pintura e aquarela. O texto é feito com a máscara e na sequência o papel recebe a pintura. Ao secar, a máscara é removida, deixando o texto em branco em meio às cores.

Agora você sabe como planejar os estudos para aprender caligrafia. Separe seu material, pesquise as referências na internet e comece a praticar!

Para quem prefere fazer aulas para agilizar o aprendizado, fica a sugestão do curso que eu fiz na Domestika, além de diversos tutoriais que você pode encontrar no YouTube. Boas aulas!

Escrito por Mario Troise

Mario é um empreendedor criativo especializado em lançamento de produtos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Loading…